Desgaste das próteses da articulação temporomandibular: uma revisão narrativa

Autores

  • Henrique Pinto-Borges Departamento de Ciências Dentárias
  • Óscar Carvalho Departamento de Electrónica Industrial (CMEMS-UMinho), Universidade do Minho,Guimarães
  • Bruno Henriques Departamento de Electrónica Industrial (CMEMS-UMinho), Universidade do Minho,Guimarães; Núcleo de Pesquisas em Materiais Cerâmicos e Compósitos (CERMAT), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Campus Trindade, Florianópolis/SC
  • Filipe Silva Departamento de Electrónica Industrial (CMEMS-UMinho)
  • António Ramos TEMA, Departamento de Engenharia Mecânica, Universidade de Aveiro, Aveiro
  • Júlio Souza Departamento de Ciências Dentárias, Cespu – Cooperativa de Ensino Superior Politécnico Universitário, Gandra; Departamento de Electrónica Industrial (CMEMS-UMinho), Universidade do Minho,Guimarães

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v3i1.38

Palavras-chave:

detritos, prótese de articulação temporomandibular, desgaste, toxicidade

Resumo

As próteses da articulação temporomandibular substitutem as estruturas envolvidas (côndilo/fossa) podendo ser pré-fabricadas em geometria padrão ou personalizáveis aos pacientes. Ao longo dos anos vários materiais e modelos geométricos foram testados na tentativa de melhorar o desempenho mecânico das próteses da articulação temporomandibular. Este trabalho tem como objetivo reportar dados da literatura sobre o desgaste das próteses da articulação temporomandibular e potenciais riscos biológicos aos pacientes. Os estudos reportam uma deterioração significativa das superfícies de contato deslizantes das próteses de ATM. A perda de material como resultado do desgaste gera o desajuste dos componentes, modificando a pressão de contato e da distribuição de forças oriundas da mastigação. Como consequência ainda do desgaste, há libertação de partículas metálicas para os tecidos circundantes com um alto risco de toxicidade local dos tecidos e toxicidade sistémica através da corrente sanguínea. A presença das partículas de desgaste pode induzir a reacções adversas que dependem da concentração e tamanho de partículas libertadas.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Pinto-Borges, H., Carvalho, Óscar, Henriques, B., Silva, F., Ramos, A., & Souza, J. (2021). Desgaste das próteses da articulação temporomandibular: uma revisão narrativa. RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 3(1), 61–68. https://doi.org/10.51126/revsalus.v3i1.38