Os efeitos de um programa de educação alimentar escolar na adesão à Dieta Mediterrânica e no estado nutricional em crianças e adolescentes dos Açores

Autores

  • Duarte Vidinha Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados – Administração Regional de Saúde do Algarve, Faro, Portugal; Escola Superior de Saúde – Universidade do Algarve, Faro, Portugal.
  • Inês Castela Nutrition and Metabolism – NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, Universidade NOVA de Lisboa, Lisboa, Portugal; Comprehensive Health Research Centre – Universidade NOVA de Lisboa, Lisboa, Portugal; CINTESIS – Center for Health Technology and Services Research, Porto, Portugal.
  • Manuela Meireles Escola Superior de Saúde – Universidade do Algarve, Faro, Portugal; CIMO – Centro de Investigação de Montanha – Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal.
  • Ana Raquel Marinho Serviço de Nutrição – Unidade de Saúde da Ilha de São Miguel. Ponta Delgada

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v4i3.468

Palavras-chave:

Dieta mediterrânica, excesso de peso infantil, hábitos alimentares, Índice de Massa Corporal, saúde pública

Resumo

Introdução: A Dieta Mediterrânica (DM) é reconhecida como um padrão alimentar saudável na prevenção e redução da obesidade infantil.  A escola é descrita como um local privilegiado para a modulação de hábitos alimentares e promoção da saúde. Objetivos: Analisar os efeitos de um programa de educação alimentar no estado nutricional e no nível de adesão à DM nas crianças e adolescentes da ilha de São Miguel, Açores. Metodologia: Um total de 298 estudantes do 1º ao 3º ciclo foram incluídos. Realizou-se uma avaliação antropométrica (altura, peso e perímetro da cintura) e aplicou-se um questionário que incluía o Índice KIDMED, antes e após a intervenção. O programa compreendeu sessões adaptadas à idade e ao nível de escolaridade sobre os princípios e promoção da DM. Resultados: Após a intervenção, os estudantes com um nível de escolaridade superior apresentaram melhorias no estado nutricional. Verificou-se um aumento da prevalência de obesidade nos estudantes do 1º ciclo (26,7% vs. 32,2%) e uma diminuição nos estudantes do 2º e 3º ciclos (26,4% vs. 20,7% e 21,5% vs. 20,7%, respetivamente). Relativamente ao Índice KIDMED observou-se uma diminuição no nível de adesão ótima nos estudantes do 1º ciclo (52,2% vs. 47,8%). Pelo contrário, no 2º e 3º ciclos verificou-se uma melhoria do nível de adesão ótima à DM (31,0% vs. 35,6% e 27,3% vs. 30,6%, respetivamente). Encontrou-se, ainda, uma correlação negativa entre a adesão à DM e o índice de massa corporal (RS=-0,154; p=0,010) e entre a adesão à DM e o perímetro da cintura (RS=-0,138; p=0,021). Conclusão: Estes resultados sugerem que o programa de educação alimentar é mais efetivo na melhoria do estado nutricional e adesão à DM em adolescentes, comparativamente às crianças.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

Vidinha, D., Castela, I., Meireles, M., & Marinho, A. R. (2022). Os efeitos de um programa de educação alimentar escolar na adesão à Dieta Mediterrânica e no estado nutricional em crianças e adolescentes dos Açores. RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 4(3). https://doi.org/10.51126/revsalus.v4i3.468