Qualidade do sono e dor lombar inespecífica em trabalhadores portugueses

Autores

  • Paula Almeida Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Benedita Figueiras Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Mariana Silva Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Brígida Faria Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Lucimére Bohn Universidade Lusófona, Faculdade de Psicologia, Educação e Desporto, Porto; Faculdade de Desporto, CIAFEL, Universidade do Porto, Porto, Portugal
  • Leonor Miranda Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.785

Palavras-chave:

Sono, lombalgia, trabalho por turnos, IMC

Resumo

Introdução: O sono tem um papel fundamental na saúde e no desempenho das atividades de vida diária, tal como o trabalho, e podem ser comprometidos pela dor. A dor lombar inespecífica tem sido referida como uma das maiores justificações para a incapacidade no trabalho. Objetivo: Comparar a qualidade do sono entre trabalhadores com e sem dor lombar (DL) dentro de um grupo de trabalhadores por turnos e dentro de outro grupo de trabalhadores que não trabalham por turnos; verificar se as variáveis idades, sexo, índice de massa corporal (IMC), tipo de trabalho (com e sem turnos) e DL podem predizer a qualidade de sono (QS). Métodos: Estudo observacional, analítico transversal. Recolha de dados mediante questionário online (sociodemográfico, questionário Nórdico Musculo Esquelético (QNM) e o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (IQSP). A análise estatística incluiu teste Mann-Whitney e regressão linear múltipla (método stepwise). Resultados: A amostra (n=99) maioritariamente feminina (71,7%) e com idade média de 29,69(±6,73) anos, apresentou pobre qualidade de sono (5,48±7,63). Existem diferenças significativas entre a qualidade de sono de trabalhadores com e sem queixas de dor lombar, tanto no grupo dos trabalhadores sem turnos (p=0,042), como no grupo com turnos (p=0,033), sendo que estes apresentam pior qualidade de sono. A variância da qualidade do sono pôde ser explicada em 18% (r quadrado ajustado=0,180; Durbin Watson=2,065; Z=7,865; p<0,001) pela variância da dor lombar (Beta=0,336; p<0,001), sexo (Beta=-0,239; p= 0,014) e IMC (Beta=0,201; p=0,038). Conclusão: Este estudo sugere alguma influência da dor lombar na qualidade de sono de trabalhadores com e sem turnos, e também sugere que o aumento do IMC, ser do sexo feminino e apresentar dor lombar podem predizer uma pobre qualidade do sono em trabalhadores.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

Qualidade do sono e dor lombar inespecífica em trabalhadores portugueses. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 104. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.785

Artigos Similares

1-10 de 287

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.