Fisioterapia e hospitalização domiciliária: casuística da atividade desenvolvida numa unidade da região Centro

Autores

  • João Moreira Hospital Amato Lusitano, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Castelo Branco, Portugal
  • Vasco Eusébio Hospital Amato Lusitano, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Castelo Branco, Portugal
  • Soraia Silva Hospital Amato Lusitano, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Castelo Branco, Portugal
  • Eufémia Calmeiro Hospital Amato Lusitano, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Castelo Branco, Portugal
  • Isabel Antunes Hospital Amato Lusitano, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Castelo Branco, Portugal
  • Eugénia André Hospital Amato Lusitano, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Castelo Branco, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.702

Palavras-chave:

Hospitalização domiciliária, fisioterapia, casuística

Resumo

Introdução: A Hospitalização Domiciliária (HD) é um modelo de assistência hospitalar inovador, seguro e eficaz, que se encontra em crescendo no nosso país. Diversos estudos suportam o contributo dos cuidados de fisioterapia na otimização da mobilidade (Loveland et al., 2022), independência funcional (Ramsey et al., 2021) e literacia em saúde dos utentes admitidos neste regime de internamento (Naranjo-Rojas et al., 2021). Objetivos: Caraterizar os utentes inseridos em programa de fisioterapia e apresentar a atividade desenvolvida pela fisioterapia numa Unidade de HD (UHD) da Região Centro. Material e Métodos: Estudo retrospetivo dos utentes internados na UHD que realizaram fisioterapia entre 31 de dezembro de 2020 e 15 de setembro de 2023. Os dados sociodemográficos e clínicos foram obtidos no SClinic Hospitalar e a análise descritiva foi realizada com recurso ao programa de software Excel. Resultados: Num total de 471 internamentos na UHD, 159 utentes (33,7%) realizaram programa de fisioterapia. Destes, 60% eram do género masculino com idade média de 67 (±15,53) anos. Estiveram em média 11 (±7,31) dias internados, tendo realizado uma média de 5 e um máximo de 20 dias de fisioterapia. 50% dos utentes iniciaram fisioterapia nos primeiros dois dias de internamento na UHD, sendo que, em média iniciaram no 4º dia de internamento. As patologias mais frequentes eram do foro cardiorrespiratório (90%). Foram feitas 865 visitas domiciliárias pela fisioterapia num total de 634 horas, resultando num tempo médio de visita de 44 minutos e num número médio de 5 visitas por utente. 13 (8%) utentes foram reinternados no hospital e, à data de alta, 10 (6%) foram admitidos em Unidades de Cuidados Continuados e 35 (22%) utentes foram referenciados para consulta de fisiatria. Conclusões: Este estudo permitiu traçar o perfil sociodemográfico e clínico dos utentes e objetivar o trabalho desenvolvido pela fisioterapia. Estes resultados poderão ser utilizados no desenvolvimento de estudos futuros para validar o contributo da fisioterapia e consolidar a importância da integração de fisioterapeutas nas equipas das UHD.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

Fisioterapia e hospitalização domiciliária: casuística da atividade desenvolvida numa unidade da região Centro. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 40. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.702

Artigos Similares

1-10 de 39

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.