Consumo de azeite e adesão ao Padrão Alimentar Mediterrânico entre académicos de origem lusófona

Autores

  • Tânia Graça Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal
  • Joana Bôto GreenUPorto – Sustainable Agrifood Production Research Center/Inov4Agro, Faculty of Nutrition and Food Sciences, University of Porto, Porto, Portugal
  • Juliana Almeida-de-Souza Centro de Investigação de Montanha (CIMO), Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal
  • Nuno Rodrigues Centro de Investigação de Montanha (CIMO), Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal
  • Vera Ferro-Lebres Centro de Investigação de Montanha (CIMO), Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal
  • Manuela Meireles Centro de Investigação de Montanha (CIMO), Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v4i1.209

Palavras-chave:

dieta mediterrânica, azeite, comportamento alimentar, Portugal, estudantes

Resumo

Introdução: O azeite muito apreciado pelos consumidores pelas suas propriedades nutricionais e pelos seus aromas e sabores é um dos pilares da Dieta Mediterrânica (DM). Este padrão alimentar, característico dos países mediterrânicos, é considerado um dos padrões alimentares mais saudáveis que existem. Muitos dos seus benefícios estão associados ao consumo de alimentos com propriedades benéficas para a saúde, como é o caso do azeite. Objetivo: Avaliar a adesão ao padrão alimentar mediterrânico e o consumo de azeite, numa amostra de estudantes e investigadores portugueses e de origem lusófona. Material e Métodos: De forma a avaliar a adesão à Dieta Mediterrânica foi utilizado o questionário MEDAS (Mediterranean Diet Adherence Screener) previamente traduzido e validado para a população portuguesa, que inclui 14 questões relacionadas com a frequência do consumo de alimentos típicos e não típicos do padrão alimentar mediterrânico, incluindo azeite. Este estudo teve como principal foco estudantes e investigadores portugueses e estrangeiros. Resultados: Observou-se que 94,4% dos estudantes e investigadores portugueses e 86,5% dos estrangeiros utilizam azeite como principal gordura culinária, apresentando médias (DP) de ingestão diária de 2,9 (2.3) e 3,9 (2,9) colheres de sopa respetivamente. A mediana (P25-P75) de adesão à DM foi de 8,0 (6,0-9,0) nos participantes nacionais sendo significativamente superior dos internacionais 6,0 (4,5-7,5) (p=0,009). Conclusões: Este estudo revelou que apesar do azeite ser a gordura de eleição mesmo entre estudantes e investigadores estrangeiros, várias medidas podem ser tomadas para aumentar a adesão à Dieta Mediterrânica, em particular nestes últimos.

Downloads

Publicado

2022-06-28

Como Citar

Consumo de azeite e adesão ao Padrão Alimentar Mediterrânico entre académicos de origem lusófona. (2022). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 4(1). https://doi.org/10.51126/revsalus.v4i1.209

Artigos Similares

1-10 de 478

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.