A circuncisão infantil na cultura Muçulmana: papel do enfermeiro especialista em Saúde Infantil e Pediátrica

Autores

  • Joana Sousa Centro Hospitalar Tâmega e Sousa; Escola Superior Saúde Santa Maria, Porto, Portugal
  • Rafaela Silva Centro Hospitalar Tâmega e Sousa; Escola Superior Saúde Santa Maria, Porto, Portugal
  • Goreti Marques Escola Superior Saúde Santa Maria, Porto, Portugal
  • Rita Fernandes Escola Superior Saúde Santa Maria, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.688

Palavras-chave:

Enfermagem pediátrica, cultura, Islamismo

Resumo

Introdução: Para o Enfermeiro Especialista em Saúde Infantil e Pediátrica (EESIP) prestar cuidados culturalmente competentes, a famílias que estejam a vivenciar transições, necessita de compreender os fenómenos socioculturais e religiosos que as influenciam. A população Muçulmana em Portugal reflete o mesmo crescimento que esta tem mundialmente. Para os muçulmanos a família é a base da sociedade, regulada por normas religiosas e tradicionais relacionadas com a saúde, a alimentação, a higiene pessoal, a conduta e interação social, o casamento, gravidez, o nascimento, a parentalidade, bem como, os rituais neles expressos, como a circuncisão. Objetivos: Compreender como as diferenças culturais influenciam a prestação de cuidados do Enfermeiro Especialista em Saúde Infantil e Pediátrica, bem como, identificar estratégias para uma prestação de cuidados culturalmente competentes. Métodos: Revisão narrativa da literatura nas seguintes bases de dados: PubMed, RCAAP e CINAHL. Resultados: A sociedade e leis islâmicas baseiam-se no Alcorão e na Sunnah. A parentalidade organiza-se segundo um modelo matrilinear com assunção de novos papéis na dinâmica familiar alargada. Sendo a circuncisão (Kitan) prática comum e percecionada como importante na identidade cultural e religiosa, identifica quem segue e obedece a Allah. No entanto, essa prática, usualmente no período neonatal, apresenta aumento de complicações imediatas e tardias se realizada de forma tradicional (fora do ambiente hospitalar). Ao compreender o ato cultural associado ao ritual da circuncisão o EESIP desenvolve as competências interculturais ao considerar e conceber intervenções de enfermagem para garantir a saúde da criança e família no seu contexto social e cultural. Conclusões: Tendo como base o Modelo do Sol Nascente de Leininger e sabendo que a realização da circuncisão é uma questão cultural, o EESIP, pode atuar através da Acomodação/Negociação do Cuidado Cultural.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

A circuncisão infantil na cultura Muçulmana: papel do enfermeiro especialista em Saúde Infantil e Pediátrica. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 29-30. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.688

Artigos Similares

1-10 de 108

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.