Prevenção e tratamento das quebras cutâneas no idoso: revisão da literatura

Autores

  • Cristina Aguiar Cirurgia B, Unidade Local de Saúde de Matosinhos, Matosinhos, Portugal
  • Alexandra Alves Cirurgia B, Unidade Local de Saúde de Matosinhos, Matosinhos, Portugal
  • Conceição Osório Cirurgia B, Unidade Local de Saúde de Matosinhos, Matosinhos, Portugal
  • Margarida Cardoso Cirurgia B, Unidade Local de Saúde de Matosinhos, Matosinhos, Portugal
  • Sandra Fernandes Cirurgia B, Unidade Local de Saúde de Matosinhos, Matosinhos, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.751

Palavras-chave:

Quebras cutâneas, cuidados enfermagem, prevenção, tratamento

Resumo

Introdução: A idade, perda de elasticidade da pele e a desidratação aumentam o risco de lesões cutâneas. Estas são consideradas feridas agudas, que podem tornar-se crónicas devido a comorbilidades e fatores de risco (Vanzi & Toma, 2017). Segundo Internacional Skin Tear Advisor Panel (ISTAP), as quebras cutâneas resultam de cisalhamento, fricção e/ou força contundente, resultando na separação das camadas da pele (LeBlanc et al, 2011 cit por Campbell et al, 2018). Os profissionais de saúde enfrentam desafios complexos na prevenção e tratamento das quebras cutâneas em idosos. Objetivos: Analisar estratégias ou intervenções na prevenção e gestão de quebras cutâneas no idoso. Fomentar a importância das melhores práticas na prevenção, gestão e tratamento das quebras cutâneas para promover a qualidade de vida. Material e Métodos: Revisão da literatura usando a metodologia PICO. Pesquisa realizada a 1 Setembro 2023. Limite temporal de 2009 a 2023, na base de dados da EBSCO Host (CINAHL Complete, MEDLINE with Full Text, MEDLINE Complete, Medic Latina, Academic Search Complete). Para identificar literatura cinzenta recorreu-se ao RCAAP e OpenGrey. Publicações em idiomas inglês, português e espanhol e texto integral. Operadores booleanos AND e OR com a combinação dos termos MeSH/Decs. Obtidos 15 artigos, 5 para análise integral. Resultados: Prevenir e gerir quebras cutâneas é crucial, assim implementar programas de prevenção é essencial. A prevenção passa por usar produtos com ph neutro, creme hidratante, roupa que cubra as extremidades, ter cuidado com as unhas e joias e evitar o uso de adesivos, não sendo possível deve-se optar por removedor de adesivos (Stephen-Haynes, 2020). No tratamento deve-se evitar remover ou puxar a camada da pele, pelo que é importante usar apósitos que permitam manter um ambiente húmido na ferida, e na remoção destes considerar a direção do retalho. Conclusões: A literatura relata que as quebras cutâneas têm taxas de prevalência equivalentes ou superiores a úlceras por pressão, podendo ser um indicador negativo da qualidade dos cuidados (LeBlanc et al, 2011 cit por Campbell et al, 2018). O risco aumenta com a idade, causando dor e diminuindo a qualidade de vida. Os profissionais de saúde devem prevenir e tratar atempadamente envolvendo cuidadores evitando complicações.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

Prevenção e tratamento das quebras cutâneas no idoso: revisão da literatura. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 76. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.751

Artigos Similares

1-10 de 194

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.