O efeito agudo do alongamento na flexibilidade dos isquiotibiais em crianças desportistas e não desportistas

Autores

  • Ana Oliveira CICS, ISAVE – Instituto Superior de Saúde, Amares, Portugal
  • Ana Carpinteiro CICS, ISAVE – Instituto Superior de Saúde, Amares, Portugal
  • Joana Lemos CICS, ISAVE – Instituto Superior de Saúde, Amares, Portugal
  • Margarida Silva CICS, ISAVE – Instituto Superior de Saúde, Amares, Portugal
  • Maria Martins CICS, ISAVE – Instituto Superior de Saúde, Amares, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.765

Palavras-chave:

Alongamento, flexibilidade, isquiotibiais, crianças, desporto

Resumo

Introdução: Em idades mais jovens os picos de crescimento identificados na literatura: 9 anos no género feminino e 11 anos no género masculino; causam um rápido crescimento ósseo que nem sempre é acompanhado pelo crescimento dos tecidos moles ao mesmo ritmo, levando a uma redução da flexibilidade desses grupos musculares. A flexibilidade muscular é um elemento importante na redução de potenciais lesões assim como para reabilitação muscular e melhor performance no desporto. Porém e graças ao pico supracitado, a permanência das articulações na mesma posição vai gerar encurtamento muscular e ligamentar, juntamente com ligeiro aumento do tónus muscular levando a um desequilíbrio estrutural do sistema músculo-esquelético e consequente desalinhamento postural. Objetivos: avaliar o efeito agudo do alongamento estático dos isquiotibiais e a sua diferença em crianças praticantes ou não praticantes de desporto. Material e Métodos: Uma amostra constituída por 38 crianças, com idades compreendidas entre os 8 e 10 anos, divididas em dois grupos, no grupo 1 (n=19) crianças que praticavam desporto e no grupo 2 (n=19) crianças que não praticavam desporto, foi submetida a uma avaliação antropométrica, nomeadamente peso, altura e idade, e ao Teste Sentar e Alcançar de Wells. Posteriormente foi-lhes realizado um alongamento estático durante 30 segundos, tendo sido efetuada uma segunda medição do Teste Sentar e Alcançar de Wells, no imediato, para verificar se existiram ganhos de flexibilidade. Para análise estatística dos dados obtidos foi aplicada a estatística indutiva mediante o software de análise estatística SPSS (Statistic Package for Social Science), versão 25.0, para determinar a média, o desvio padrão, os máximos, os mínimos, as frequências absolutas e as frequências relativas das variáveis em estudo. Resultados: Foi observado um aumento de amplitude do movimento de ambos os grupos sendo o grupo 1, com participantes praticantes de desporto o que obteve maior grau de flexibilidade. Conclusões: Os resultados obtidos parecem sugerir que o alongamento estático passivo de 30 segundos teve benefícios no ganho de amplitude de movimento e ainda afirmar que aqueles que praticavam modalidades desportivas, apresentaram melhores resultados no que respeita à flexibilidade. No entanto mais estudos devem ser realizados recorrendo a amostras maiores e usando diferentes tempos de alongamento de forma comprovar o efeito do mesmo.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

O efeito agudo do alongamento na flexibilidade dos isquiotibiais em crianças desportistas e não desportistas. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 87. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.765

Artigos Similares

1-10 de 44

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.