Blended Intensive Programs no Ensino Superior: inovação e colaboração para desafios globais de saúde

Autores

  • António Alves Lopes Escola Superior de Saúde do Alcoitão, Estoril, Portugal
  • Daphne Wittkämper HU University of Applied Sciences, Utrecht, Países Baixos
  • Adnan Hoxha Heimerer College, Kosovo
  • Alesander Zabala Blanquerna School of Health Sciences - Ramon Llull University, Barcelona, Espanha
  • Barbara Brottrager University of Applied Sciences Joanneum, Austria
  • Kaisa Jokinen JAMK University of Applied Sciences, Finlândia
  • Filip Maric UiT The Arctic University of Norway, Noruega
  • Mariusz Kozakiewicz Nicolaus Copernicus University, Polonia

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.766

Palavras-chave:

Blended Intensive Programs, educação, profissões de saúde

Resumo

Introdução: Os Blended Intensive Programs (BIP) no ensino superior combinam mobilidade a curto prazo com colaboração online (BIP, 2023). Esta abordagem financiada no âmbito do projeto ERASMUS+ visa fomentar métodos de ensino e aprendizagem inovadores em Instituições de Ensino Superior (IES). Objetivos: Desenvolver um BIP para abordar e aprofundar os desafios globais de saúde e sociais, considerando diversos fatores que impactam a saúde global. Material e Métodos: No ano letivo de 2022-2023, sete IES colaboraram na criação de um BIP, explorando o impacto na saúde global de fatores como as migrações e multiculturalidade, doenças não transmissíveis, alterações climáticas e impacto económico. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, no contexto da saúde global, foram também incorporados no programa. O programa incluiu uma componente online prévia e uma semana presencial na instituição de acolhimento. Contou com a participantes de diferentes nacionalidades e profissões nas áreas da saúde e social, incluindo alunos e professores. No final, foi aplicado um questionário online, recolhendo dados quantitativos e qualitativos. Resultados: O feedback indica uma perceção positiva do BIP como ferramenta de ensino. Os participantes demonstraram uma melhor compreensão das complexidades da saúde global, reforçando a necessidade de inovação colaborativa. A combinação de diversidade de nacionalidades e profissões, juntamente com a aprendizagem online e presencial, valorizou a experiência educacional. Conclusões: O Blended Intensive Program implementado surge como uma estratégia relevante, com potencial para uma abordagem mais integrada e multidisciplinar aos desafios da saúde global. A composição diversificada dos participantes e a combinação de componentes online e presenciais podem influenciar positivamente futuros currículos e métodos de ensino em IES.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

Blended Intensive Programs no Ensino Superior: inovação e colaboração para desafios globais de saúde. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 88. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.766

Artigos Similares

1-10 de 472

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)