Análise de resíduos de 5-fluorouracilo no exterior de bombas infusoras após realização de tratamento oncológico em ambiente domiciliário

Autores

  • Andreia Cardoso Centro Hospitalar Universitário São João, Porto; Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Luísa Barreiros Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto; LAQV, REQUIMTE, Department of Chemical Sciences, Faculty of Pharmacy, University of Porto, Portugal
  • Maria dos Anjos Sá Centro Hospitalar Universitário de Santo António, Porto, Portugal
  • Eulália Sousa Centro Hospitalar Universitário de Santo António, Porto, Portugal
  • Daniel Carvalho Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Patrícia Correia Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto; Centro de Investigação em Saúde e Ambiente (CISA), Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Fernando Moreira Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto; Centro de Investigação em Saúde e Ambiente (CISA), Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.742

Palavras-chave:

5-FU, bombas infusoras, citotóxicos, quimioterapia, exposição ocupacional

Resumo

Introdução: Pese embora os benefícios potenciais da administração infusional de 5-fluorouracilo (5-FU) em regime de domicílio, já existiram relatos de derrames e resíduos de 5-FU no exterior de bombas infusoras, que reforça a necessidade do desenvolvimento e aplicação de metodologia analítica que permita a sua deteção e quantificação (Chefchaouni et al., 2023). Objetivo: O principal objetivo do presente estudo foi avaliar a presença de resíduos de 5-FU no exterior de bombas retiradas de doentes oncológicos. Material e Métodos: Foram recolhidas 10 bombas infusoras utilizadas em tratamentos oncológicos com 5-FU, em doentes em regime de tratamento domiciliário e seguidos num hospital do Norte de Portugal. As bombas foram recolhidas após o tratamento e a colheita amostral foi efetuada com compressas humedecidas com acetato de etilo, em três zonas distintas: carcaça, fio de infusão e local de conexão ao cateter. Posteriormente, as compressas foram submetidas a um processo extrativo por agitação em 15 ml de uma solução de acetonitrilo:metanol:água (10:25:65). Para a deteção de potenciais resíduos de 5-FU foi aplicado um método de cromatografia líquida de alta eficiência acoplada a detetor de díodos (HPLC-DAD) previamente validado quanto aos principais critérios de metodologia analítica (Cardoso et al., 2023). Resultados: Das três zonas das bombas infusoras analisadas, não foram detetados resíduos de 5-FU na carcaça dura, nem no fio de infusão. Por outro lado, a zona de conexão ao catéter do doente apresentou resíduos de 5-FU detectáveis com a metodologia aplicada, em 80% das bombas (n=8). Os valores de 5-FU detectados apresentaram uma concentração média de 1,205 ± 2,375 µg/cm2. Conclusões: Face aos resultados observados, reforça-se a necessidade da remoção das bombas infusoras ser efetuada em espaços designados para o efeito e por profissionais devidamente formados e providos de equipamento de proteção individual que minimize a exposição, quando em contacto com fármacos citotóxicos.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

Análise de resíduos de 5-fluorouracilo no exterior de bombas infusoras após realização de tratamento oncológico em ambiente domiciliário. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 69. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.742

Artigos Similares

1-10 de 71

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)