Avaliação do endotélio corneano através de microscopia especular em participantes com edema macular diabético

Autores

  • Bárbara Sabino Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa, Portugal
  • Joana Pinto Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa, Portugal
  • Tiago Branco Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa, Portugal
  • Ricardo Batista Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa, Portugal
  • Bruno Pereira Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa; iNOVA4Health, NOVA Medical School, Faculdade de Ciências Médicas, NMS, FCM, Universidade NOVA de Lisboa, Lisboa, Portugal https://orcid.org/0000-0003-4955-1770
  • Pedro Camacho H&TRC-Health & Technology Research Center, ESTeSL Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto Politécnico de Lisboa, Lisboa; iNOVA4Health, NOVA Medical School, Faculdade de Ciências Médicas, NMS, FCM, Universidade NOVA de Lisboa, Lisboa, Portugal https://orcid.org/0000-0002-2986-5652

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v6i1.647

Palavras-chave:

Endotélio corneano, Diabetes Mellitus Tipo 2, retinopatia diabética, edema macular diabético

Resumo

Introdução: Apesar da integridade morfológica e funcional do endotélio corneano, essencial para a transparência corneana, ser afetada com a Diabetes Mellitus (DM) a sua relação com severidade de retinopatia diabética e presença de edema macular diabético não é clara.

Objetivos: Avaliar as características morfológicas do endotélio corneano em doentes com Diabetes Mellitus Tipo 2 (DMT2) com diferentes perfis de resposta terapêutica ao edema macular diabético (EMD).

Métodos: Com uma abordagem transversal, 24 participantes com DMT2 foram divididos em 2 grupos (sem EMD e com EMD). Posteriormente, o grupo com EMD foi subdividido de acordo o tipo de resposta terapêutica (respondedor e persistente). Parâmetros obtidos através da microscopia especular (densidade de células endoteliais, coeficiente de variação, hexagonalidade e espessura central da córnea) e da tomografia de coerência ótica (espessura mínima da fóvea, espessura no 1mm central, a espessura da camada de células ganglionares macular, e a espessura da camada de fibras nervosas peripapilar) foram analisados e comparados nos diferentes grupos.

Resultados: Não foram encontradas alterações significativas do endotélio corneano entre os grupos com e sem EMD (p>0,05). No entanto, foram encontradas diferenças na densidade de células endoteliais (p=0,04) nos participantes com diferentes EMD persistente (1900,3 ± 270,1) comparativamente ao EMD respondedor (2307,9 ± 121,2) e grupo de controlo (2191,7 ± 165,5).

Conclusão: Os diferentes parâmetros do endotélio corneano não mostraram diferenças entre participantes com e sem EMD. No entanto, o tipo de resposta terapêutica ao EMD parece estar associada à diminuição da densidade de células endoteliais.

Downloads

Publicado

2024-04-29

Como Citar

Avaliação do endotélio corneano através de microscopia especular em participantes com edema macular diabético. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 6(1). https://doi.org/10.51126/revsalus.v6i1.647

Dados de financiamento

Artigos Similares

1-10 de 87

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)