Utilização de substâncias psicadélicas para o tratamento da perturbação obsessivo-compulsiva: uma análise de escopo

Autores

  • Pedro Monteiro Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • Raquel Simões de Almeida LabRP-CIR, Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal
  • António Marques LabRP-CIR, Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.723

Palavras-chave:

Perturbação obsessivo-compulsiva, Psicadélicos, Substâncias psicoativas

Resumo

Introdução: A utilização de substâncias psicadélicas ou psicoativas para tratar doenças mentais, como a Perturbação Obsessivo-Compulsiva (POC), é cada vez mais procurada. Há relatos de que opções alternativas de tratamento têm sido usadas para reduzir a sintomatologia, embora a investigação realizada seja escassa e dispersa, sendo necessário o mapeamento e identificação dos estudos realizados. Objetivo: Compreender melhor a extensão e o tipo de evidência disponível relativamente ao tratamento da POC com substâncias psicadélicas. Para além disso, a análise da forma como a investigação é conduzida neste domínio, a forma como as áreas geográficas estão representadas e as metodologias seguidas também devem ser consideradas. Metodologia: Foram seguidas as diretrizes da JBI e PRISMA ScR. As bases de dados PubMed, Web of Science, Springer, ScienceDirect e APA PsycNet foram consultadas de maio a junho de 2023. O software Rayyan foi usado para triagem de artigos. Quatro estudos preencheram os critérios de inclusão, apresentando alta heterogeneidade. A extração de dados e a síntese dos resultados foram efetuadas e os resultados foram analisados. Resultados: Esta revisão incluiu quatro artigos realizados entre 2013 e 2023. Os estudos examinaram o uso de canábis, nabilona e psilocibina para o tratamento da POC. O tamanho das amostras é reduzido, variando de um a 14 participantes. A Escala Obsessivo-Compulsiva de Yale-Brown (Y-BOCS) foi comummente usada para avaliação. As dosagens variaram de 1 mg a cerca de 800 mg. Conclusões: Os estudos analisados variaram em termos de adesão às guidelines de registo e comunicação da informação recolhida. A psilocibina apresentou resultados promissores, enquanto a canábis e a nabilona não. O número limitado de estudos e a dimensão reduzida das amostras limitam as conclusões. É necessária investigação mais rigorosa, com instrumentos de avaliação, dosagens e administração padronizados. São necessárias investigações futuras para estabelecer normas e guidelines para o uso de psicadélicos no tratamento da POC.

Publicado

2024-01-15

Como Citar

Utilização de substâncias psicadélicas para o tratamento da perturbação obsessivo-compulsiva: uma análise de escopo. (2024). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Supii), 56. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSupii.723

Artigos Similares

1-10 de 13

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)